RABISCOS POÉTICOS

AMAR É FÁCIL PARA QUEM TEM MEMÓRIA PORÉM, ESQUECER É DIFÍCIL PARA QUEM TEM CORAÇÃO.

Textos


NO CAQUIZEIRO UM PERIQUITO VERDE...

Ave típica da mata atlantica sobrevive bem nas cidades, sendo vista comumente em São Paulo.  Eles voam quilômetros em busca de alimento devido a destruição de seu ambiente natural , sempre estão em grupos (casais) , muito barulhentos, como toda a sua família :arara, papagaio e maritaca.
Todos os dias, pelas manhãs e também a tarde um bando de periquitos verdes, muito barulhentos, as famosas maritacas, como costumo tratá-los, cruzam o céu desse bairro. E a sua parada no meu jardim tem sido obrigatória, pelas arvores altas e agora, com os caquizeiros carregados de frutos apetitosos, aumentaram a algazarra do bando, que ficam voando de um lado, para o outro, no alto das dracenas, do pé de manacá, voltam e bicam mais um caqui, e naquele barulho, demoram mais um pouco. Eles enfeitam a minha casa como o seu deleite, pelo meu jardim,  neste período, que também coincide  o com o horário da saída das crianças, de uma pré-escola aqui vizinha.Aí sim, que o barulho aumenta muito mais, aonde o medo, a curiosidade e a alegria, destacam-se numa beleza  impar,  por toda essa esquina.

Hoje, depois que terminou o barulho deles, já estava escurecendo, quando passando pelo jardim, uma menina que passava na rua chamou-me a atenção, dizendo:
- Tia, olha ali naquele galho de baixo está uma ararazinha, que se perdeu dos pais.
Eu ví! Quando os pais dela estavam no alto voaram e ela coitadinha, ficou aí, sozinha!

Com esforço, porque estava tudo num tom igual de verde , atentei-me e notei que em  um dos galhos, na parte de baixo, do caquizeiro, estava um filhotinho, sozinho, assustado, com certeza, ele perdeu o equilíbrio e não conseguiu acompanhar o bando, no seu vôo vespertino.

Entre as folhas largas e verdes, confundindo-se com as outras folhagens o periquito verde, que tem a cor violeta nas asas, mas, quando a ave é nova não se destaca, estava exuberante na sua cor verde predominante, mantinha-se camuflado entre as folhas dos caquizeiros, a sua  tímida presença destacava-se somente pelo movimento inquieto dos seus olhos, e alguns pequenos passinhos sobre o galho, mancando, com o seu pézinho esquerdo machucado. Pensei rápido, com medo, que ele fugisse, como farei, para alojá-lo por esta noite, deixa-lo no jardim a noite seria perigoso, os gatos da vizinhança, fazem o seu passeio noturno e passando pelo meu jardim sentiriam o cheiro do filhote e "crap" fariam dele o seu banquete.Com muito cuidado, para não assustá-lo ainda mais, cortei o galho que ele estava e o recolhi, para dentro da casa.

Meu marido sempre dizia que aqui em casa, temos ambiente, para tudo. Hoje comprovei a existência de um novo ambiente, sem ter uma gaiola, improvisei um cômodo só para ele, o jardim de inverno, com mesa cadeiras, um vaso com uma palmeira grande, todo envidraçado com persianas ele está protegido da chuva, do vento e dos animais que possam perturbá-lo ou....comê-lo!

Os caquizeiros estão grandes faz nove anos, que o Waltinho, meu neto, os plantou em dois vasos de xaxim, que colocamos sobre a terra no jardim. O tempo foi passando as raízes foram se enraizando pelo solo, e lá geminaram cinco lindos pés de caquis chocolate. Este ano, eles deram muitos frutos e os meus netos; Walter, Victor e Sarah colheram uma cesta cheia desses frutos doces e graúdos e acabaram vivenciando, o cordel Caquizeiros, que fiz, para eles.

Nesse preciso momento, estou aqui escrevendo e o Palmeiras está jogando, pela Copa, esse periquito verde, deve ser um bom presságio, para o time alviverde... ou não, porque, aqui em casa, todos são Corintianos...Pronto! Um recantista palmeirense, acabou de me informar, que o resultado do jogo foi 2x0, para o Palmeiras. O Periquito verde foi um bom presságio e deu sorte, para o Verdão! rsss

Fiquei contente, com a historia do “periquito  verde” e eu, que já vivo sorrindo, agora arrumei um motivo real, ví  o  “passarinho verde”, para continuar, literalmente sorrindo, sempre... rss


SanCardoso
Enviado por SanCardoso em 28/02/2008
Alterado em 08/12/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.sancardoso.prosaeverso.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras